quarta-feira, 29 de abril de 2009

Quem diria que fosse assim...

Let me think...

Ao fim de uma louca e penosa história de troca de sentimentos, esses sentimentos que o deixara morto de si mesmo. Desesperado, peito que teimosamente sofria desejando a dor. Ela, só ela… o fizera sentir algo nunca antes sentido, a sua imaturidade nesta vida traiu-o. Era o amor, pensava ele. Mas, surpreendentemente não passava de atracção, pura atracção.

Já na altura tudo tinha ido como truque de magia, estalar de dedos, como um sopro que fez parar noutras paragens talvez. Mas ele sempre se aproximara devagar. No pensamento sempre estava, não estava. Talvez tivesse o pensamento preso perpétuamente nela. E o ver, sentir e pensar.

Mas veio a realidade, e foi quem soltou-o do que já mais se pensava que se soltara, afinal era perpétuo. Mas já lá vai, foi! Passado nada mais, é assim.

Nunca foi ele, não pensem isso, é assim.

...thought writing.

Pensem nisso.

6 comentários:

AnaLuísa disse...

o texto está muito bonito :)

mas..! para a próxima quero, se faz favor, profiteroles recheados com chantilly e por cima chocolate quente.

ed :P *

baby piggy disse...

É bom pensarmos que é só um mero pesadelo. Mas é o passado que nos torna forte.
Bom post Ed e quero uma coisinha daquelas ainda :p *

tó milho disse...

como eu te percebo...
abcs

Ana Frade disse...

Qe texto lindo :D

Um beijo *

Willy Antoni Abreu Oliveira disse...

Obrigado por seguires o Ipsis Verbis.
Abraço.

Let me be me. disse...

"Ainda ha tanta gente para entrar!
Deixar sair quem por angano entrou."