sexta-feira, 17 de abril de 2009

Estupidamente passado...

Let me think...

Estava ele olhando o passado, momentos marcados, soltou a lágrima. Vem a brisa com som fino, era o vento frio que levou a gota… que sonho que a vida lhe tirou, “porquê?”, pergunta imatura. Ele nunca disse tudo o que tinha para dizer, não podia dizer o que sentia, nem tão pouco sentir o que dizia. Sonho de uma vida, destroçado. Com o fim, “ nunca mais”, “ como foi cego, sempre quis negar tudo isto, estando sempre a tentar evitar o fim”. Ele nem sabe como tudo aconteceu… eles foram tudo, como agora nada são. Sempre ficando um instinto atractivo louco, o medo de se olhar, tocar de se falar. Estas razões fizeram a atitude fugitiva, há quem diga covardia. Que fugida perigosa, contornar os sentimentos que ele próprio julgava perigosos. Tivera que fazer algo por si, outrora o que era vivo estava no momento parado morto, nada resta, tudo acabado estrategicamente rematado. Agora ele corre atrás daquilo que lhe faz lembrar, memórias. Tudo o vivido levou-o até aqui, onde se sente forte, apto, para enfrentar cada novo e êxtase momento…

E agora uma baralhada de letras sonoras que se deixou de dizer… ele tem medo de dizer, talvez por ela ser única. Mas não deixa de ser tão ou mais que quem diz como essa mesma palavra fosse banal, como se ela mesma seja para se dizer sem certezas… ele diz essa palavra carregada de emoções e embaralhos, para os únicos, tendo o saber do interior por inteiro…

Não merecia viver o que viveu, não merecia ser descompreendido como foi, não merecia ser olhado daquela forma desejando-o, mas foi. Não merecia ter corrido o que correu atrás do que já no real, era vão… podia não merecer tudo isto, mas ele é feito daquilo que construi. Construindo isto ou não, ele viveu… No fim, com uma força, como se fosse o ultimo suspiro, “ sou feliz por ter vivido isto, sou feliz por ter sofrido isto, sou feliz por não merecer isto, sou feliz… agora sim, digo a palavra. Amo, aqueles inerentes à minha amizade!”


...thought writing.

Pensem nisso.

7 comentários:

JJ' disse...

OMG!

Gosto, sabes que gosto.
Gosto da maneira como escreves o q as pessoas sentem e não têm coragem de admitir

=)

tó milho disse...

bem, bem senhor eduardo
eu é que fiquei passado a ler esta xena. mt bom
tas "au point". continua
abcs

Ana Frade disse...

Está tão bonito Ed ...
Tens mesmo jeito para estas coisas, nunca deixes de o mostrar ;)

Beijinho *.*

Anónimo disse...

adorei Ed :D

tens mesmo jeitinho pa isto ^^


Beijinho *.*

[by.Juh*] ;)

Nunziuh disse...

eles foram tudo, como agora nada são.

lindo :]

Anónimo disse...

"Estupidamente passado..."

pa qé q tivest tanto trabalho a escrever um titulo tao grand, se bastava dizeres:

"Ed"


=DD

[by.Juh*]

Sandy disse...

falta dizer...

estou feliz por conseguir escrever isto...=)

admiro a tua capacidade d escrita, o teu olhar para o mundo, a tua miragem para a vida... nunca desistas =)

beijinho


Sandy