segunda-feira, 20 de abril de 2009

Descer ao dia...

Let me think...

Vamos a isto, mais um dia. Depois de muito fazer, abre-se a porta da caixa que monotonamente numa azáfama, ora sobe e desce, ora desce e soube. Pli!... a luz marca o numero cinco. Olho para o espelho, pormenores por acertar, a pressa deixou marcas em mim. Muda a cor, a luz passa a ser quatro. “ Falta a gravata, porra…”, a necessidade faz o engelho, já dizia o meu avô. Aprendi com a necessidade, sobrepor as duas partes, a maior descida para baixo, parte pequena sobe. Vira para o outro lado… perfeito. A luz desce uma posição, marca o símbolo 3, entretanto tinha bebido leite, com toda a correria saltara pequenas manchas para o blazer, contrastou com o azul escorado. Lenço na mão absorvendo o húmido que permanece ainda. Muda de lugar a luz, saltou para um lugar abaixo, quem mais haveria de ser, era o dois… tímido mas notou-se bem, já estava no segundo andar. De repente desperto e veio-me á memoria “ os sapatos, esqueci-me! Tão mal engraxados” passei um de cada vez por de trás da perna contraria, passando assim na barriga da perna. Brilhou de outra forma, vendo-se o reflexo no preto manchado de manchas brancas como fundo e rodeado do preto dos sapatos. Penúltimo, marcava o um, agora sim estou pronto. Pareço mais do que sou, foto e gravata, “o meu filho está tão bonito assim”, a babada de quem me criou, dizia com brilho na visão. A luz rapidamente marca o “redondo”, era o zero. Ultimo esforço antes do dia próximo, abro a porta. Corro, estou atrasado…


...thought writing.

Pensem nisso.

3 comentários:

Nunziuh disse...

Oi? Altamente :O

Catherine Barlow disse...

Esta muito engracado o texto!
Gostei!

beijo

(: disse...

Descreves tudo de uma maneira, tens talento! :')
Continua a escrever. Continua a aprender.
Adoro-te ED!